Página

domingo, 30 de agosto de 2009

Serra já formata discurso para 2010

via Reinaldo Azevedo | VEJA.com de Reinaldo Azevedo em 30/08/09

Por Luciana Nunes Leal, no Estadão:
O tom é professoral. Às vezes tem uma dose de bom humor e, quase sempre, referências pessoais e profissionais. Se está inspirado, conta casos da juventude, da família, dirige-se à plateia. Em outros momentos, sem sorrisos, se restringe ao assunto que o levou a determinada solenidade. É no conteúdo dos pronunciamentos mais recentes, porém, que o governador José Serra (PSDB) começa a construir o discurso para as eleições de 2010. Embora insista que não há definição sobre candidatura à reeleição ou à Presidência da República, o tucano escolhe os temas que levará ao palanque.
Mudança radical na política industrial, ataque ao aparelhamento do Estado no governo do PT, preocupação com meio ambiente e sustentabilidade e o já famoso "ativismo governamental" estão entre os assuntos que o governador e futuro candidato quer pôr em discussão. Críticas diretas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva - que mantém a popularidade em alta, apesar do desgaste dos aliados - praticamente não existem. E cobranças dirigidas ao governo federal são acompanhadas de comparações com a administração tucana de Fernando Henrique Cardoso e seus ministros, entre eles o próprio Serra.
O site do governo paulista reproduz 52 discursos entre 1º de junho e 27 de agosto. Na sexta-feira, dia 28, foram mais três, dois em Praia Grande e um em Hortolândia. No portal são incluídas apenas as falas do governador em compromissos oficiais . Não estão lá as participações em compromissos partidários, como o discurso feito no Congresso Nacional do PPS, no dia 7 de agosto, no Rio, onde estavam também o governador tucano Aécio Neves, de Minas Gerais, e lideranças do DEM e do PV. Na ocasião, Serra traçou um roteiro de temas cruciais para o discurso da oposição na disputa presidencial de 2010.
Um dos pontos mais importantes foi a necessidade de uma política industrial que vá além do cenário atual, onde predomina a exportação de produtos primários. Mesmo sem detalhar propostas objetivas, o governador deixou clara a insistência no estímulo aos setores secundário e terciário, com valorização da indústria e também estímulo à qualificação profissional para ocupação de empregos em serviço e tecnologia.
Em 2010, o eleitor vai ouvir a pregação no palanque tucano. "O Brasil está caminhando a passos largos para voltar a ser uma economia primária exportadora. Anterior a 1930. Commodities, minério de ferro, aço, petróleo. Não é isso que vai desenvolver o País." Também haverá comparação com outras economias. "Os dois países que estão se saindo melhor nessa crise - Índia e China - têm políticas nacionais de desenvolvimento. Não ficam só no oba-oba, não ficam só no jogo de otimismo. O Brasil não pode renunciar a ser um país industrial", ensaiou Serra no encontro do PPS. Aqui

0 comentários:

Postar um comentário

Favor identificar-se.