Página

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Lula adota 'realpolitik' em busca de apoio para Dilma - Estadao.com.br

via www.estadao.com.br em 08/09/09

terça-feira, 8 de setembro de 2009, 16:43  Online
Lula adota 'realpolitik' em busca de apoio para Dilma
DANIELA MILANESE - Agencia Estado
Tamanho do texto? A A A A
LONDRES - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva adotou a "realpolitik" diante das eleições do próximo ano, diz hoje o "Financial Times". Conforme o jornal britânico, o apoio dado recentemente a José Sarney durante os escândalos no Senado mostra a determinação de Lula em obter apoio para a candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, em 2010. Termo de origem alemã, "realpolitik" refere-se a políticas ou ações diplomáticas exercidas com base, principalmente, em considerações práticas, em detrimento de noções ideológicas.

Lula tem mantido "companhia estranha ultimamente", afirma o FT, lembrando que Sarney é um exemplo típico de político brasileiro de estilo antigo, ao qual o presidente anteriormente se opunha.

O FT avalia ainda que os planos de Lula para Dilma receberam o primeiro revés com a possibilidade da candidatura de Marina Silva, ex-ministra de Meio Ambiente, que acaba de se filiar ao Partido Verde. Conforme o jornal, a candidatura de Marina, cujo anúncio é aguardado para breve, pode encorajar outros aspirantes ao cargo, como Ciro Gomes e Heloísa Helena. "Isso definitivamente faz diferença", disse ao FT Luciano Dias, consultor político em Brasília.

A intenção de acelerar a aprovação das novas regras do pré-sal no Congresso também tem como motivo as eleições presidenciais, apesar de o governo negar, afirma o jornal britânico. "Apesar de que ainda levará anos para que o petróleo do pré-sal comece a jorrar, o governo está faturando o bem-estar que isso trará como a solução para a desigualdade e outros problemas sociais", avalia o FT.

Para a publicação, a aprovação rápida da proposta do pré-sal no Congresso traria outro dilema para Lula. Isso porque tiraria da oposição o risco de parecer contra os projetos para o petróleo no Brasil.

0 comentários:

Postar um comentário

Favor identificar-se.